12.6.17

Linden Twins ♫ ♬ Capítulo 50 por Mel Kiryu


Capítulo 50

           A sensação era semelhante ao dia em que Syaoran descobriu que Jiang não era Huang, não era a pessoa em que ansiava reencontrar.
     Esse instante passou rapidamente em sua mente feito um pequeno filme.

  "Havia uma determinação nervosa nos movimentos de Jiang que mostrou a parte de trás do instrumento que tinha uma pedaço raspado, um nome entalhado a grosso modo.
                                        Onde lia-se "Jiang".

__ Fui eu quem entalhou o nome, Syaoran!... Ganhei o contra-baixo do meu pai quando tinha treze anos e fiquei tão orgulhoso que quis colocar o meu nome nele.
     A cada segundo, era mais difícil estar diante de Syaoran.
   Ele se mostrava tão sério e confuso, quase frustado e suavemente triste.
                 E em nada resignado.
__Pare com isso! Eu sei que você é Huang!... 
__Não... Eu não sou...
__Você quer me enlouquecer? É isso?...__ Syaoran também se mostrava raivoso.
    Jiang ficou sem ação quando Syaoran arrancou o contra-baixo e o jogou de qualquer jeito na beirada da cama, tentou lutar com ele quando sem qualquer razão, começou a arrancar-lhe a blusa lilás do corpo! 
__Me solta, seu idiota!
    Mas, Syaoran estava tão friamente decidido que não parou até deixar a parte de cima do corpo de Jiang desnuda, até prendê-lo de bruços naquela cama, segurando-lhe brutal os braços e encarando incisivo suas costas.
    Queria encontrar uma tatuagem e havia mesmo uma tatuagem, mas não o desenho que esperava encontrar.
    Jiang sentia o peso do corpo de Syaoran em suas pernas, seus braços torcidos nas costas, seu rosto de lado entre os vincos da colcha.
    A desilusão atingiu Syaoran em cheio, seu rosto estava tão tenso de decepção... Que soltou os braços de Jiang simplesmente e se colocou na outra ponta da cama, suspirando cabisbaixo.
    E por sua vez, Jiang ajoelhou-se sobre a cama macia.
    Ainda desnudo da cintura para cima, sentindo-se péssimo...
__Essa... Não é a tatuagem do Huang...__ Syaoran replicou em tom cavo, tendo que lucidar a si mesmo.
     O que esperava encontrar era um serpente desenhada em cores quentes e enroscada a uma clave de sol, mas nas costas de Jiang vislumbrou estupefato uma clave de fá com asas de borboleta."

        Dessa vez, quando pensava que podia impedir Huang de ferir a si mesmo, descobriu por Jiang que ele já havia tentado o suicídio.
     Um vazio frio e crescente, a eminente impressão de derrota se instalaram em seu íntimo e Syaoran deslizou as mãos tensas pelos ombros de Jiang transformando o toque angustiado num abraço frágil, seus dedos encontraram-se na nuca morna e penetraram desolados o cabelo solto de Jiang que sentiu a distância entre seus corpos diminuir.
   
      A carícia em sua nuca, a proximidade desajeitada de seus corpos causava em Jiang contradições.
    Suas mãos estremeceram e se agarraram às roupas de Syaoran, mas o resto de seu corpo repudiava o abraço, o toque dos dedos entre as mechas de seu cabelo.
__Conta para mim... O que houve com Huang?__ Syaoran pediu, beijando a testa de Jiang.
__Tudo que eu sei é que foi o Dai que encontrou o Huang ontem... Dado ao cenário no banheiro do apartamento, imagino que Huang cortou a si mesmo com um estilete que encontrei manchado de sangue dentro da pia.      
__Não me diga que...
    Jiang encarou o medo pungente nos olhos escuros e quentes de Syoaran e compreendeu o que ele queria perguntar.
    Era uma pergunta de teor mórbido que fez Jiang menear a cabeça com força, morder sem quer o próprio lábio inferior com seu olhar pregado ao de Syaoran.
__Soube que ele foi levado com vida ao hospital... Sying foi pra lá... E bem...__ Jiang suspirou desalentado.__ Você deveria fazer o mesmo...
    Syaoran quase perguntou se Jiang também não iria, mas de súbito, pareceu-lhe tão evidente que Jiang sofreria se o visse junto de Huang como namorados que eram...
   Que quando a tez de Jiang fugiu a tornar-se cabisbaixa, Syaoran ergueu-lhe novamente a face num gesto vazante de ternura.
__Jiang... Sou muito agradecido por tudo que fez por mim.
    Palavras ditas num cochicho sutilmente marcado pela culpa e pela afeição, seguido de seus lábios a se colocarem sobre os de Jiang.  
    E em meio ao beijo, sentindo aquela quentura eminente na face, Jiang esqueceu de suas contradições por um pequeno momento.
    Certo de que era um beijo de despedida.
    Interrompido sem mais por uma terceira voz.
__Ora, que coisa... A conversa era sobre mim, mas parece que mesmo assim tudo gira em torno de vocês dois.
      O beijo terminou tal como uma pedrada desferida numa vidraça.
    Aquela terceira voz era exatamente igual a voz de Jiang, tomada por um tom mais mordaz, uma irritação sutil, uma confiança desafiadora e demasiado agressiva.
    Seguravam mesmo sem querer um no outro quando ambos se viraram.
    E encararam Huang segurando a porta prateada do elevador.
__Então é assim? Eu dou as costas por alguns dias e o idiota do meu irmão rouba meu namorado?
    As palavras moldadas em ironia cáustica de Huang fizeram Jiang e Syaoran se separarem como num pulo, ambos atônitos e completamente sem ação.
   Huang deu um passo para frente e deixou a porta prateada do elevador se fechar, o jeito que moveu um dos braços tornou visível o curativo em torno do pulso, um hematoma derramado na pele da mão.
__Não, Huang!__ Syaoran se colocou na frente de Jiang.__ A culpa de tudo isso é minha... Jiang só tentou me ajudar a te encontrar.
__Sai da frente, Syaoran.__ Huang ordenou, gélido.
     Jiang saiu de trás de Syaoran, olhando fixo e seriamente para seu irmão.
    Seu irmão que não via havia três anos, trajando uma blusa preta com estampa do The Doors e blazer preto, uma calça jeans manchada desfiada na bainha, o cabelo que parecia mais comprido que o seu preso num rabo de cavalo baixo tal como o próprio Jiang costumava usar.
    Sem poder ignorar as ataduras no pulso, notando também um curativo menor no outro punho semi escondido pela manga do blazer. O rosto de Huang um tanto pálido, mas tão provocante quanto se lembrava.
     A respiração de Jiang entrecortada de nervosismo.
     Ainda mais quando Huang desviou-se e foi até a agenda de capa dura caída no chão daquele corredor.

3 comentários:

  1. Eu quase gritei quando li: "__Então é assim? Eu dou as costas por alguns dias e o idiota do meu irmão rouba meu namorado?"
    Que venenoso! Céus hahah Não pensei que ele fosse aparecer de repente no prédio, bem na hora do beijo! Que conveniente... Não poderia aparecer num momento melhor kkk

    Quando vi os três capítulos postados hj, logo pensei: Mel, meu coração não aguenta!!
    Amei, os três últimos foram os mais intensos... ♡.♡

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Você achou o Huang venenoso? o_o
      Bom, ele tem uma personalidade difícil, hoje mesmo tô empacada num capítulo em que ele e o Jiang precisam levar um papo sério... Mas, como escrever sem fazer os dois brigarem? É difícil, viu? \:

      Você achou intenso? Que bom! Porque quando a gente escreve às vezes não dá para sentir.

      Excluir
    2. Sim kkk Huang já chegou soltando as garras contra Jiang, deu até um frio na espinha.
      Eu imagino esse dilema kkkk Escrever esses dois juntos deve ser uma aventura >.<

      Muito, muito intenso. A conversa de Jiang com o pai, quando Syaoran descobre a carta e o suicídio, a aparição de Huang... Nossa, eu senti tudo com eles.

      Excluir

Oi! (◍•ᴗ•◍)
Veio comentar?
Cada autor desse blog recebe um imenso incentivo a cada comentário.
(Comentários anônimos também são bem vindos ^^")
Agradecemos sua opinião! ٩(๑•◡•๑)۶
Mas, se for apenas comentar sobre erros de gramática, isso é dispensável.

Siga-nos no Facebook

o
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...